Políticas Públicas Indigenistas

 

2018 ficará marcado na história do legislativo brasileiro ao eleger a primeira deputada federal indígena do País: Joênia Batista de Carvalho, conhecida como Joênia Wapichana, que já se destacara em 1997 ao ser a primeira mulher indígena a se formar em Direito, na Universidade Federal de Roraima.

Desde 1987, quando o cacique xavante Mário Juruna deixou o Congresso Nacional, um índio não era eleito deputado federal.

Eleita com 8.491 votos, Joênia defende temáticas ligadas ao  direito ambiental  para proteger a biodiversidade do País e da sustentabilidade.

Vejta Também:

 

1. Filosofia Indígena

2. Quadrinhistas da Marvel e DC ilustram lendas brasileiras

3. Thiago de Mello: a poesia como crítica social, em defesa da floresta e dos povos que nela habitam

4. A paixão de Ajuricaba: um mergulho para a morte e um salto para a imortalidade na literatura amazonense

5. Filosofia da Arte Indígena: uma análise crítica do Festival Folclórico de Parintins/AM sob a ótica da Indústria Cultural

 

Acesse o site da Biblioteca Digital Curt Nimuendajú: um repositório de recursos sobre línguas e culturas indígenas sul-americanas, incluindo livros raros, artigos, dissertações e teses. O acervo inclui:

  • Uma abrangente coleção de livros de edição esgotada, teses e artigos.
  • Uma lista de discussão em que se divulgam eventos e recursos da área e se discutem tópicos de pesquisa com línguas indígenas sul-americanas, bem como tópicos gerais particularmente interessantes para os estudiosos de línguas indígenas.
  • Uma coletânea de links para páginas contendo informações atualizadas sobre periódicos , matérias publicadas na mídia nacional e internacional, além de vários websites de interesse

O Livro Fronteiras de Saberes apresenta várias discussões que interessam ao tema das políticas indigenistas como:

1) discussões sobre Cultura, Identidade e a questão Interétnica. Veja os dois primeiros capítulos:

Casos de “roubo de sombra” em fronteiras interétnicas: sofrimento mental no Baixo Amazonas;

Cultura e identidade na tríplice fronteira Brasil, Colômbia e Peru.

2) uma discussão no capítulo 11 sobre

Políticas de saúde e conhecimentos tradicionais na Amazônia: o uso de plantas medicinais.

O livro está disponível para download através do link: Fronteiras de Saberes.

 

O Livro Epifanias da Amazônia traz uma discussão no capítulo 5 sobre

A etnociência & os saberes tradicionais agrícolas na Amazônia.

O livro está disponível para download através do link: Epifanias da Amazônia.

 

O Livro Fazendo Antropologia no Alto Solimões, vol. II traz algumas discussões sobre xamanismo e saberes tradicionais respectivamente nos capítulos 4 e 11:

Canto xamânico: imagem de tradução

A ciência popular de alto valor e as ações do SUS na Amazônia central

O livro está disponível para download através do link:

Fazendo Antropologia no Alto Solimões, vol. II

 

O Livro Fazendo Antropologia no Alto Solimões, vol. 14 traz uma discussão nos capítulos 6 e 8 sobre a questão indígena, respectivamente:

6. Colonialismo e resistência/existência: queer indígena como agenda epistemopolítica

8. Descrição etnográfica de rituais vivenciados nas práticas curativas da puxação e benzeção na comunidade indígena do Katxipiri

O livro está disponível para download através do link:

Fazendo Antropologia no Alto Solimões, vol. 14
 

 

Sugestão de Filme

Ailton Krenak: O Sonho da Pedra, dirigido por Marco Altberg. O filme passeia por diferentes fases da vida e da luta de Krenak, que ficou famoso por causa do seu discurso no Congresso Nacional, em Brasília, durante a Assembleia Constituinte de 1988, em que ele pintou o rosto com Jenipapo, em protesto. O filme revela detalhes por meio de seus depoimentos e também de amigos e ativistas que o acompanham e o admiram, como o cineasta Vincent Carelli e os indígenas Álvaro Tukano, Marcos Terena.

 

Povos Indígenas

            O Estatuto do Índio é o nome como ficou conhecida a Lei 6.001, promulgada em 1973, que dispõe sobre as relações do Estado e da sociedade brasileira para com os índios. Desde 2005 o Estatuto do Índio vem sendo rediscutido a partir da ideia do...
Trabalho apresentado para obtenção de nota do Doutorado da disciplina História Indígena e do Indigenismo, do Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia da Universidade Federal do Amazonas.   Docente: Profa. Dra. Patrícia Melo Sampaio   Acesse o arquivo completo...
por Luciana Alvarenga Cordeiro Raíssa Jacauna da Silva acadêmicas de Serviço Social da UFAM postado em jun. 2016             Direitos humanos são os direitos de todo cidadão, seja branco, negro, índio, ou homossexual, não importa sua idade, religião,...
A educação escolar indígena poderá ser organizada por meio de territórios étnico-educacionais, caso o Projeto de Lei 9943/18, do Senado Federal, seja aprovado pela Câmara dos Deputados. O projeto inclui a medida na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB - Lei 9.394/96). O Decreto...

Saberes Tradicionais

            Os povos tradicionais como os ribeirinhos, povos indígenas, quilombolas, camponeses têm um modo de vida próprio, de produção e reprodução da vida social relacionado predominantemente com a terra e com os recursos naturais, caracterizado por...
A Agência Nacional de vigilância Sanitária (Anvisa) incluiu a Cannabis sativa na Lista Completa das Denominações Comuns Brasileiras (DCB) sob a categoria de "planta medicinal". Trata-se de uma lista que define os nomes oficiais de fármacos, princípios ativos, plantas medicinais e outras substâncias...
O “Tratado das Plantas Medicinais” é fruto do trabalho de mais de 40 anos de pesquisas e vivências da farmacêutica e professora Telma Sueli Mesquita Grandi. A obra, disponível para download gratuito, reúne 383 espécies com poder medicinal. Na apresentação do livro, a autora explica que durante...
por Alexsandro M. Medeiros lattes.cnpq.br/6947356140810110 publicado em out. 2015             A Indústria Farmacêutica, que pode ser definida “como um conjunto de oligopólios com multiprodutos diferenciados em segmentos de classes terapêuticas...
CORDEIRO, Maria Audirene de Souza. “A canoa da cura ninguém nunca rema só”: o se ingerar e os processos de adoecer e curar na cidade de Parintins (AM). Tese (Doutorado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade Federal do Amazonas. Manaus,...

Acesse o nosso canal no YouTube

(clique no botão abaixo)

Assista aos nossos vídeos

1. Sabedoria Indígena

2. Filosofia Indígena

3. Solilóquio do Índio

Assista também aos vídeos

1. Políticas Públicas

2. Ciclo de Políticas Públicas

3. Gestão Democrática de Políticas Públicas

(parte 1 e 2)